Aprenda investir é verdade?

Não julgue para não ser julgado. Essa frase mexeu com você? Então, você precisa ler este artigo. Hoje, decidi falar sobre o problema de o medo. Se você se identifica com a situação, ou está passando por esse problema nesse momento… Veja essas artigo.

Você pode clicar neste link: http://universidadetrader.com.br/ para ficar por dentro das últimas as novidades sobre Bolsa de Valores. E então, vai dizer “Adeus” a o medo e dar um novo “Olá” a aprenda investir, ficando feliz por ter alcançado seu objetivo de forex para iniciantes!

Não julgue pela aparência de um dicas, pois aquele conteúdo pode ser valioso.

A bolsa de valores é o ambiente de negociação onde os investidores podem comprar e vender seus títulos através da negociação direta, com auxílio ou não de correspondentes de negociação. Neste tópico será apresentado um histórico completo e uma explicação sobre o funcionamento das bolsas de valores e em particular da BM&FBOVESPA, a empresa que administra as duas bolsas brasileiras.

Histórico da bolsa de valores brasileira

A história das bolsas no mundo começa de maneira mais concreta em 1487 com a criação da primeira bolsa de valores do mundo, em Bruges, na Bélgica. Mais tarde, em 1690 é fundada a Bolsa de Londres e em 1792 foi fundada a Bolsa de Valores de Nova Iorque, atual maior bolsa de valores do mundo em capitalização das empresas participantes.

A bolsa brasileira atualmente é uma união de duas grandes bolsas do Brasil, a BOVESPA e a BM&F e outras que formaram estas duas. Para entender sua história, é importante saber a origem destas bolsas.

Fundada em 1845, a antiga BVRJ, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, por muito tempo foi a maior bolsa brasileira, mas pouco a pouco perdeu espaço para a Bolsa de Valores de São Paulo.

A BOVESPA tem sua origem em 1890 com a criação da Bolsa Livre, fundada por Emílio Rangel Pestana. Logo em 1891 foi fechada por conta da política de Encilhamento e quatro anos depois reaberta como a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo. Até a reforma do mercado de capitais brasileiro em 1965 e 1966, a bolsa era uma entidade vinculada à antiga secretaria de finanças do estado de São Paulo.

A Bolsa de Mercadorias de São Paulo (BMSP) surgiu em 1917, negociando contratos agropecuários como café, boi gordo e algodão. Foi por muito tempo a principal bolsa de negociação de contratos do Brasil.

A partir de 1967 a bolsa passou a ser denominada Bolsa de Valores de São Paulo, os antigos corretores que trabalhavam individualmente foram substituídos pela figura da corretora, como representante de operações.

Em 1985 foi criada a Bolsa Mercantil de Futuros (BM&F) que introduziu com sucesso a negociação de instrumentos financeiros no Brasil, como taxas de juros, índices futuros e opções de contratos.

Em 1991 a BMSP e a BM&F unificam suas operações sob a sigla já existente da BM&F. Em 1997 ocorre a última grande fusão, agora com a BBF, Bolsa Brasileira de Futuros, sediada no Rio de Janeiro.

Em 2000 diversas bolsas brasileiras são incorporadas pela Bolsa de Valores de São Paulo, inclusive do Rio de Janeiro, o que faz com que a BOVESPA se torne a Bolsa do Brasil.

Em 2008, BOVESPA e BM&F tornam-se companhias de capital aberto após desmutualizarem seu capital. Em 2009 as operações das duas são unificadas dando origem à BM&FBOVESPA.

Funcionamento

A bolsa de valores é o ambiente de negociação onde os investidores podem comprar e vender seus títulos através da negociação direta, com auxílio ou não de correspondentes de negociação. No caso da bolsa brasileira, a negociação é feita através das corretoras da bolsa.

As corretoras são instituições financeiras que fazem o intermédio de negociação entre os investidores e a bolsa. Mais que apenas intermediários, as corretoras também efetuam distribuição de ofertas públicas, distribuição de fundos, intermediação com títulos públicos federais e etc.

Outra figura importante é a do agente de liquidação e custódia. A liquidação é o processo de pagamento e recebimento ou a venda e entrega de um título comprado na bolsa. A custódia é o armazenamento do título recebido, num local seguro. O agente de liquidação e custódia tem grande importância por trazer segurança a todo processo de negociação. Ele é quem garante que os compromissos firmados em bolsa serão cumpridos e que os valores transacionados têm segurança.

No Brasil a figura da bolsa de valores pode ser representada pela BM&FBOVESPA, dona de duas bolsas, a BM&F com foco para negociação de produtos agropecuários e instrumentos financeiros, e a BOVESPA com foco para negociação em ações e opções de ações.

No Brasil existem cerca de cem corretoras autorizadas a intermediar operações nas bolsas de valores, sendo a Renascença uma corretora autorizada a operar em ambos mercados.

A figura do agente de custódia e liquidação é a CBLC, Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, empresa também do grupo BM&FBOVESPA, responsável por registrar todas as operações do segmento BOVESPA. A CBLC também é responsável por manter os dados dos titulares dos papéis negociados em bolsa e pela custódia eletrônica dos títulos.

Quanto aos investidores, são figuras principais os investidores estrangeiros, os fundos de investimentos brasileiros, os bancos e os investidores individuais, como aqueles que movimentam ações via home broker.

Você deve colocar energia para conseguir aprenda investir. A gente sabe que as vezes, o medo desanima, e acaba nos atrapalhando as vezes. Mas, olhar para onde se quer chegar, é o que permite que o objetivo seja alcançado.

Deixe uma resposta